Oi Povo, tudo bem?
Hoje vamos falar de "Beije a Garota", livro que fecha com chave de ouro série a "The Naughty Princess Club" da autora Tara Sivec, lançado pela Editora The Gift Box na bienal do livro do Rio de Janeiro.  "No Badalar da Meia-Noite" e "Na Cama com a Fera", são os livros anteriores e já temos resenhas aqui no blog, basta clicar nos nomes para conhecer melhor essas lindezas!!!

Nos livro anteriores, sabemos que o négocio (The Naughty Princess Club) das amigas: Cindy, Belle e Ariel se tornou um verdadeiro sucesso. Com Cindy e Belle se apresentando a procura dos clientes ficou ainda maior, e elas não conseguem entender o que trava Ariel de se juntar a elas, afinal a ruiva desbocada sempre foi a mais "confiante" de todas. O que elas não imaginam é que Ariel esconde um segredo por vergonha. Sem falar, que Ariel está se sentindo um peixe fora d'água ao ver suas amigas namorando e ela quer apenas distância dos homens, afinal seu ex-marido ensinou o pior lado do homem.

"Não preciso de um cavalheiro de armadura brilhante para me salvar e me deixar de quatro, como Cindy disse. Não preciso de um homem selvagem, com um coração de ouro, para me ajudar a abrir as asas e salvar a minha preciosa biblioteca, como aconteceu com a Belle. Só preciso ser capaz de pagar as minhas contas, finalmente começar a dançar no The Naughty Princess Clube, e morrer feliz e sozinha, sem um homem me enchendo o saco e me dizendo o que fazer." Pág: 10.

O problema é, o que está ruim pode piorar e Ariel acaba sendo despejada da sua casa e tem todas as suas preciosas antiguidades apreendidas para irem a leilão. Com isso ela acaba indo morar no barco do louco, divo e implicante Eric Sailor. Aquele mesmo que ela vivia fugindo como o diabo foge da cruz! Hahaha.

"Ele nem ao mesmo tentou iniciar uma conversa ou soltar milhares de perguntas idiotas, e muito menos me provocou...ele só me deixou em paz, com os meus pensamentos assassinos e o seu perfume me rodeando." Pág: 33.

Não posso contar mais que isso para não estragar algumas surpresas, mas preciso comentar que esse livro me envolveu de uma tal maneira que li em 1 dia, pois queria saber o que aconteceria com a doida da Ariel e com o fofo Eric. Sério, o  Eric é a coisa mais linda, não que o PJ e o Fera não sejam, mas ele ganhou meu coração de uma maneira imbatível! Haha. Então, leiam a série e se apaixonem por essas mulheres algumas vezes loucas, desesperadas e até inseguras, mas que com o apoio entre si, se tornam independente, seguras e continuam loucas. Até porque ninguém de perto é normal! Hahaha.

Avaliação:
Ficha Técnica
Título: Beije a Garota
Série: The Naughty Princess Club #03
Autora: Tara Sivec
              Editora: The Gift Box
Páginas: 228
Oi Povo, tudo bem?
Hoje vamos falar de “Um Dorama Para Chamar de Meu” da querida parceira Marina Carvalho. O livro foi lançado na bienal do livro Rio de Janeiro, pela Editora Astral Cultural. Quem me conhece, sabe que sou fã da autora desde que li “Simplesmente Ana” pela primeira vez, Marina é aquela autora que escreve lindamente, e também é aquele ser humano que você tem orgulho de conhecer!! Então, depois dessa declaração de fã, vamos falar do livro? Rsrs.

Nunca assistir doramas, confesso que era 100% ignorante a respeito deles e da cultura Coreana, mas isso de maneira nenhuma atrapalhou a minha leitura, pois Mariana, a personagem do livro, também não entendi nada até começar a trabalhar para o fotógrafo sul-coreano Yoo Hwa-In (ou Joaquim Matos).

Mariana Pena saiu de uma cidade de Minas Gerais para a grande São Paulo quando ganhou uma promoção e foi transferida. Ela é assessora de comunicação e simplesmente ama o que faz, seu hobby é o boxe, um amor que herdou do seu pai.  Apesar de não ser um hobby comum, ela tem muito orgulho de ser diferente e não liga para os preconceitos que já sofreu por isso.

"Meu treino acabou e me resta pouquíssimo tempo para me aprontar e voltar para o trabalho. É mais um daqueles dias em que troco o horário do almoço pela malhação." Pág: 14.

Quando foi escolhida para ser assessora de Joaquim, ela nem imaginava o que estava por vir. Ele é completamente diferente de todos os homens que ela estava acostumada e muitas das vezes é bem grosso no seu tratamento. Para piorar tudo, eles vão viajar juntos por todos o país e encarar diversos fãs enlouquecidos.

"Como o cara é frio! Deveria fotografar pinguins na Antártida, isso sim!". Pág: 26.

Com o decorrer do livro, Mariana começa a conhecer melhor a cultura de Joaquim e a entender melhor o seu comportamento, mas alguns eventos super estranhos começam a acontecer durante a turnê e logo nossa mocinha fica com a pulga atrás da orelha, mesmo todo mundo falando para ela que é exagero. Não posso contar mais que isso, porém preciso indicar  a leitura para todos que amam um romance gostoso e envolvente. Mariana é aquela mocinha que não foge a luta, do tipo que torcemos o tempo todo para que tudo ocorra bem, Joaquim é aquele personagem misterioso que vamos conhecendo no decorrer da leitura e que no final nos vemos completamente apaixonados.

Avaliação:
Ficha Técnica
Título: Um Dorama Para Chamar De Meu
Autora: Marina Carvalho
              Editora: Astral Cultural
Páginas: 320
Oi Povo, tudo bem?
Hoje vamos falar de "Na Cama Com A Fera", segundo livro da série "The Naughty Princess Club" da autora Tara Sivec, lançado pela Editora The Gift Box. A Autora esteve presente na bienal do livro deste ano e foi extremamente simpática com seus leitores, consegui pegar meu autógrafo lindão! Rsrs. Esse livro era o mais aguardado por mim, pois amo "A Bela e a Fera" e estava louca para saber o que Belle iria aprontar. Já conhecia a personagem um pouquinho, pois ela aparece no primeiro livro "No Badalar da Meia Noite".

Para ler a resenha do primeiro livro da série ->
No Badalar da Meia Noite

Com o final do primeiro livro da série sabemos que o négocio (The Naughty Princess Club) das amigas: Cindy, Belle e Ariel se tornou um verdadeiro sucesso. Mas, apenas Cindy se apresenta e por estar sozinha, está trabalhando o dobro para conseguir atender todos os clientes. Mas, Belle quer muito mudar isso, pois sua amada biblioteca precisa de ajuda e só entrando uma grana alta irá impedir o fechamento do seu lugar favorito no mundo. O problema maior é que apesar de estar estudando profundamente os conceitos do stripper, ainda não se sente a vontade para colocar em prática.

Para piorar ainda mais a sua situação, quando Belle está voltando para casa escondida de um jantar que foi com as amigas, seu pai a expulsa de casa e ela acaba indo morar na biblioteca. Belle não quer contar para sua amigas a situação, pois ambas já tem seus próprios problemas e ela não quer ser mais um.

"Finalmente vou sair da casa do meu pai, das suas regras ridículas e da sua superproteção!" Pág: 10.

O que mais a surpreende é que o Fera que trabalha como segurança no Charming's (Clube do JP) passa a frequentar a sua biblioteca e logo percebe que ela está sem lugar para ficar, e a convida para morar com ele. Belle acha com toda a certeza que ele ficou louco, mas sua coluna estava doendo muito de tanto dormir no chão, acaba aceitando.

"- A biblioteca está fechada. Tranque tudo, pegue essa coisa ridícula que você chama de cama, de baixo do balcão, e a mochila com as roupas que você esconde na última gaveta, e vamos embora". Pág: 33.

Não posso contar muito mais que isso para não soltar um spoiler imenso, pois o livro só tem 210 páginas. Porém preciso indicar a leitura, Belle com seu jeito enciclopédia ambulante arranca muitas risadas, deixando assim o livro leve e divertido. Sem falar que em alguns momentos o Fera consegue nos fazer suspirar! rsrs. Que venha logo o livro da Ariel, pois esse também promete! Hahaha.

Avaliação:
Ficha Técnica
Título: Na Cama Com a Fera
Série: The Naughty Princess Club #02
Autora: Tara Sivec
              Editora: The Gift Box
Páginas: 180
Hoje nós falaremos sobre um lançamento de 2019, que bombou na Bienal do Livro e foi publicado pela editora Seguinte! Conectadas, escrito por Clara Alves (AUTORA NACIONAL!!!), é tudo que eu precisava ler nesse momento. 

Raíssa foi obrigada a aprender desde cedo que vivemos em uma sociedade machista, ainda mais, quando se é uma menina gamer. Para fugir das fotos de genitálias masculinas indesejadas e dos xingamentos, Raíssa teve a grande ideia de criar um avatar masculino e jogar como se fosse um menino. Ela só não esperava se tornar tão íntima de uma menina que conheceu durante a "jogatina". Agora, meses depois, Raíssa continua conversando (e jogando) todos os dias com a Ayla, e suspeita  que esteja apaixonada por ela. Só tem um probleminha, esse tempo todo Raíssa finge ser um menino, Ayla só a conhecia como Leo, não como Raíssa, será que já é tarde demais para falar a verdade?

Não importa se as pessoas vão se decepcionar. Se você não for verdadeira consigo mesma, a vida perde o sentido.

Após o anúncio de que seria organizado um evento enorme pela empresa desenvolvedora de Féericos, seu jogo favorito, Ayla pirou total. Ela fará de tudo para conseguir ir até São Paulo para participar desse evento dos sonhos! Ainda mais, depois de saber da possibilidade de finalmente conhecer o Leo, alguém que deixou de ser um simples amigo de "jogatina"  faz tempo, e que já tinha um espaço enorme em seu coração. 

- Fingir ser quem você não é consome muita energia. Não vale a pena.
– Mas ser quem você é também não é fácil.
– Eu acho que o mais difícil é se soltar das amarras que a gente mesmo constrói. Depois que a gente consegue fazer isso, é moleza.

O que dizer sobre esse livro? Era tudo o que faltava no mercado literário neste momento. Um YA de qualidade com representatividade, não estou falando apenas de representatividade LGBTQIA+. Só para vocês terem uma ideia, a Raíssa é de descendência indígena e a Ayla Japonesa. Não são aquelas mesmas descrições de personagens brancos que já até ficaram gravadas na nossa cabeça, sabe? 

O livro é repartido em capítulos intercalando o ponto de vista de Raíssa, Ayla e conversas antigas das duas por mensagens. Nós conhecemos a família e os amigos de cada uma (alguns são tão legais que me renderam algumas lágrimas em certas cenas). Também sigo shippando fielmente certas pessoas (quem leu sabe de quem estou falando) e torço horrores por um spin-off (nunca te pedi NADA dona Clara). 

Então se você não sabe o que ler e quer voltar para sua época de fake no Orkut, Conectadas é uma ótima opção, além de ser um bom livro, você estará apoiando o trabalho de uma autora nacional incrível! 


Avaliação:                                                                       
Ficha Técnica
Título: Conectadas
Autor: Clara Alves
Editora: Seguinte

Páginas: 320
Oi Povo, tudo bem?
Hoje vamos falar de "Arsen" da autora Mia Asher, lançado na bienal do livro, pela Editora The Gift Box. Quando li as primeiras impressões desse livro, fiquei louca para saber o que aconteceria com Cathy, então, foi o primeiro livro que li assim que sai de férias, se tornando meu grande companheiro de viagem! Rsrs.

Antes de começar a falar um pouco do enredo do livro, preciso comentar que ele gera diversos sentimentos contraditórios durante a leitura, em diferentes momentos quis matar a mocinha, que na maioria das vezes estava mais para vilã do livro. Quando postei a foto do livro, diversas pessoas comentaram que pararam a leitura de tanta raiva que sentiram! Hahaha. Então, querido leitor do Fadas, se você quer um livro que mexe com a sua ira, leia Arsen! Haha.

No comecinho do livro, conhecemos Cathy, uma mulher incapaz de gerar um filho de seu querido marido. Não importa quantos cuidados eles tentam, ela sempre acaba abortando no final do terceiro mês.  No terceiro aborto, ela já não sabe mais como conversar ou se aproximar do seu marido. Cathy tem certeza que seu marido Ben a ama de uma maneira inexplicável, mas esse amor não consegue apagar o burraco no peito que foi aberto. Até que um dia, ela conhece o misterioso Arsen, e seu mundo vira de vez de cabeça para baixo.

"O tempo alimentou aquele burraco com o inevitável tédio, monotonia e ressentimento em relação à vida, Ben, e a mim por não ser mulher suficiente." Pág: 30.

Ben é um marido carinho e atencioso, completamente encantado pela esposa desde o primeiro encontro. O livro volta várias vezes ao passado, fazendo o leitor entender como surgiu o relacionamento dos dois e como acabou se tornando esse "pesadelo" que vamos lendo durante os capítulos. Nem preciso dizer que ele é o melhor personagem, né? Rsrs.

"Depois de onze anos juntos, não passa um dia sem que ele ligue ou mande mensagem só para dizer oi e perguntar como vai o meu dia. Às vezes eu me pergunto se ele vai se cansar de mim, da vida de casado, beijar e transar só com uma mulher - a mesma mulher - pelo resto de sua vida." Pág: 23.

Arsen é um homem que muitas vezes se comporta como menino, e que não mede as consequências até conseguir o que quer. Durante o decorrer da leitura, entendemos melhor os motivos do seu comportamento, mas confesso que não fui com a cara dele! Pronto falei!! Hahaha.

"É engraçado que o nome dele tenha me lembrado de fogo porque ele certamente parecida alguém que poderia te queimar até virar cinzas. Com apenas um olhar, ele me fez sentir como se meu corpo estivesse pegando fogo." Pág: 32.

Sobre a Cathy... Nossa! Como quis bater nela em diversos momentos!!! Porém, em outros, queria dar um abraço e dizer que tudo ficaria bem. Gente, não sou mãe e nunca engravidei, mas imagino que tantos abortos devem deixar realmente uma ferida na alma. Certamente não tomaria as atitudes escolhidas pela personagem, mas quem sou eu para julgar, né? rsrs.

Resumindo, leiam Arsen e venham por favor conversar comigo! Preciso entender todos os sentimentos loucos que essa leitura me causou!!

Avaliação:
Ficha Técnica
Título: Arsen
Autor: Mia Asher
Editora: The Gift Box
Páginas: 304
Nós já postamos as primeira impressões desse livro antes da Bienal do Livro, onde ocorreu seu lançamento, mas agora, nós voltamos para dar a resenha completa! Punk 57 foi escrito por Penelope Douglas e publicado no Brasil pela nossa queridíssima editora parceira The Gift Box!   

Misha e Ryen se tornaram amigos por engano. Em um projeto na escola sobre envio de cartas, suas professoras acabaram juntando os dois, a professora de Misha achava que Ryen era um menino e a de Ryen achava que Misha era uma menina, como eram de escolas diferentes, elas nunca perceberam o erro. O projeto acabou, mas os dois continuaram se comunicando por cartas e, agora, anos depois, quando estão prestes a se formar no colegial, Ryen para de receber as cartas de Misha sem nenhum motivo aparente. Será que ele cansou de ser amigo dela? Pior, será que ele está morto? Ao mesmo tempo em que Ryen se preocupa com Misha, ela também se vê muito interessada em Masen, um menino misterioso que apareceu em seu colégio.

Após alguns acontecimentos, Misha se infiltra com um nome falso em uma escola da cidade vizinha, para pegar algo de um aluno de lá que lhe pertence, mas ele não contava com ter de lidar com Ryan, ou pior, uma versão totalmente megera e diferente da Ryen que ele conhece pelas cartas, e apesar de não estar lá por ela, Misha acaba se distraindo do seu objetivo e dando atenção demais para essa menina, que no momento, ele não sabe se ama ou odeia.


Cinquenta e sete vezes eu não liguei
Cinquenta e sete cartas eu não mandei,
Cinquenta e sete pontadas para voltar a respirar, e então, apenas fingir. 

O livro pode até começar um pouco lento, mas de repente ele fica muito misterioso e te deixa ansiosa para uma certa coisa acontecer logo. Em seguida a autora engata na história e você começa a se envolver pra caramba com os personagens… E é aí que a raiva começa. Sabe quando você quer pegar um personagem pela mão, levar para um beco escuro e dar um MURRO?

Nesse livro somos transportados para naqueles colégios que aparecem nas séries ou filmes, em que todas as pessoas são cruéis. E a protagonista é uma das patricinhas que humilha todo o mundo e é adorada na escola, mas em seu interior, diz só faz aquilo pela popularidade porque se agisse como ela mesma ninguém gostaria dela e blá blá blá... O ponto é: Se ela prefere humilhar as pessoas para ser popular ao invés de ser ela mesma, podemos constatar que ela não é uma pessoa tão boa assim, independente do lado que mostre de si mesma. 

Tirando os protagonistas problemáticos, que, inclusive, eu recomendaria alguns anos de terapia para cada um, o livro é bom, a história é muito legal, é aquele tipo de livro cheio de frases que você tatuaria pelo corpo, e cheio de cenas HOT que eu sei que vocês adoram! 


Avaliação:                                                                       
Ficha Técnica
Título: Punk 57
                            Autor: Penelope Douglas
                                                         Editora: The Gift Box
Páginas: 323

author
Se você: Cheira livros, se apaixona por personagens, sofre com eles como se fosse alguém da sua família, corre atrás de autógrafos, viaja para outro estado para participar da Bienal do Livro, adora um sebo, procura por eventos literários, entra na livraria para dar um livro de presente e sai com dois para você, então você está no lugar certo!