Finalmente o segundo livro da série Para Nova York, com amor chegou às livrarias! O primeiro livro, Amor em Manhattan, nos contou a história de Paige Walker, e nos apresentou às suas duas melhores amigas: Frankie e Eva. Em Pôr do Sol no Central Park, vamos conhecer um pouco mais da história de Frankie e, claro, matar a saudade de todos os outros personagens! 

Frankie Cole está decolando em sua vida profissional, após a abertura da sua própria empresa, junto de suas melhores amigas, mas continua sendo uma mulher cheia de cicatrizes invisíveis. Após o conturbado divórcio de seus pais ainda em sua adolescência, e a maneira pouco tradicional que sua mãe escolheu para superar o término, ela se tornou totalmente desacreditada no amor, e se abstém de  qualquer tipo de relacionamento amoroso — apesar de estar se sentindo bastante atraída pelo irmão de sua melhor amiga. 

Como as pessoas conseguem fazer isso? Como são capazes de ignorar todas as estatísticas e fatos e se convencer de que podem achar a pessoa com quem ficarão para sempre? “Para sempre” não existe.

Matt Walker conhece Frankie há vários anos, pois ela é amiga de infância de sua irmã. Porém, de uns tempos pra cá, ele percebeu que não tem apenas uma quedinha por ela, existe todo um precipício pela frente, e é um pulo de bungee jumping no qual a corda pode arrebentar a qualquer momento. A grande questão é: ele conseguirá  fazer com que Frankie mude seus ideais sobre o amor? 

Alguns homens não param de falar, como se suas vozes fossem as únicas que valessem a pena ser ouvidas, mas Matt não era assim.Ele sabia dar ouvidos aos outros.

Quem leu minha resenha de Amor em Manhattan, sabe que Frankie era minha personagem preferida, e que eu estava totalmente desesperada para ler esse livro narrado por ela. Infelizmente, estar na cabeça da personagem não foi uma experiência tão agradável. Frankie é uma mulher totalmente insegura e apegada ao passado, o que nos leva a ter raiva de suas teimosias em 50% do livro. A boa notícia é que na outra metade do livro você vai sentir total empatia por ela e sua história, e vai perceber a linda evolução da personagem.

Sarah Morgan escreveu um romance muito bem equilibrado. Com uma pitada de humor, ela dá  continuidade a bela história dessas três amigas, e nos deixa ansiosíssimas pelo terceiro livro da série, que apresentará a história da amiga restante, mas não menos importante, Eva.


Avaliação:                                                                        Ficha Técnica
Título: Pôr do sol no Central Park
Autor: Sarah Morgan
Editora: Harlequin
Páginas: 365


Hoje estive representando As Fadas Literárias na cabine de imprensa para a apresentação do filme Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald. Consigo crer que este novo filme será um sucesso e agradará tanto os aficionados pelo Harry Potter quanto os cinéfilos de plantão.

O filme possui um início bastante emocionante e digno de grandes obras cinematográficas de ação, com um magistral uso de efeitos especiais. No decorrer transforma-se em uma envolvente trama de mistério pautada com ação que em nenhum momento é escapista ou unicamente visual, sempre com motivo justificável.

Ainda que seja um filme com um pouco mais de 2 horas de duração, a trama de leve suspense e muito mistério prende o público por todo o decorrer da exibição, o qual não constata a passagem do tempo. Pode-se observar que alguns poucos cortes de cenas foram apressados, mas tais momentos não conseguem retirar a intensidade de uma história que apresenta uma densa camada de mistério.

Em certo momento, a quantidade de personagens e teorias que surgem para o expectador dão a impressão que o filme será encerrado sem esclarecer todos os enigmas propostos, mas pelo contrário, o final é desenvolvido com um ritmo que respeita o público e a obra apresentada até aquele momento. Não há um encerramento atropelado.  

Os efeitos especiais são grandiosos, trazem novos animais fantásticos que se misturam com os personagens humanos em uma sincronia perfeita, tal como a própria criação das cidades de Nova Yorque, Londres e Paris remontam, fielmente, juntamente com o figurino, ao período da segunda metade da década de 20.

O filme é uma continuação de Animais Fantásticos e onde Habitam, mas acredito que seja melhor ter assistido o primeiro, pois ainda que o segundo forneça algumas explicações, o expectador pode ficar perdido em certos fatos e diálogos que remetam ao inicial.

Nesta nova fase, há a apresentação de novos personagens e o retorno de antigos, tal como uma visão mais intimista de alguns dos principais personagens e de algumas famílias tradicionais no mundo bruxo.

Newt Scamander, representado pelo brilhante Eddie Redmayne, é um especialista na fauna bruxa, o qual compreende e respeita as peculiaridades dos animais, tidos por muitos como seres inferiores e, tal como os animais que protege, suas preciosas qualidades também são menosprezadas por muitos dos bruxos.

O autor Eddie Redmayne consegue transmitir a excentricidade tímida do personagem, o qual não é movido por ambições de poder ou status, podendo classificá-lo como um herói clássico.
Observa-se que, ultimamente, muitos dos heróis apresentados são eivados de ambiguidade e contradição, ou são anti-heróis, a personificação da dúvida e da total ausência de certeza quanto ao agir, enquanto que Newt Scamander é o oposto, sabe perfeitamente o caminho a ser trilhado e não concorda em sacrificar os meios para obter um fim, mesmo que o resultado seja louvável. Para ele, se os meios não forem dignos, os fins estarão igualmente corrompidos.

Gellert Grindelwald é a personificação da maldade ocultada por um discurso eloquente e algumas vezes bastante convidativo. Johnny Depp conseguiu criar uma figura visivelmente peculiaridades, mas que ao mesmo tempo é carismático e amedrontador, que logo nos primeiros instantes do filme deixa evidenciado o motivo de ser o bruxo mais temido e perigoso do mundo.

A perversidade do discurso é muito parecido com as falácias Nazistas, que prometeram uma sociedade pacífica e próspera, baseada no trabalho e no amor fraternal, mas que inicialmente omitiram ou amenizaram os meios para alcançar os fins. Diante disso, o alcance das suas ideias são absorvidas tanto por aqueles pré-dispostos à prática de atos nefastos, quanto por aqueles que por sentirem-se excluídos, veem a possibilidade de enquadramento ou aceitação em um grupo social.

Jude Law interpreta um jovem, vibrante e encorajador professor da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, o já respeitado Albus Dumbledore, que por motivos pessoais solicita auxílio ao seu antigo aluno Newt Scamander, para ajudá-lo no combate à crescente força de  Grindelwald.

Em verdade, a outrora mencionada homossexualidade de Albus Dumbledore pela autora J. K. Rowling fica mais evidenciada em virtude do contexto e de uma interpretação cheia de charme e dignidade realizada pelo ator Jude Law. Acredito que o personagem não deixará de ser amado e respeitado em virtude da sua opção sexual, na verdade, Albus Dumbledore merece o título de maior bruxo em razão das suas realizações e, principalmente, pela sua capacidade de evocar o melhor em cada um que o cerca.

Os demais personagens são muito bem conduzidos pela primorosa direção, facilitada pelos diálogos naturais e bem escritos do enredo, que possui alguns momentos de descontração que não deixa o filme alcançar a tensão absoluta.

É um filme que cumpre com mais do que o proposto, pois além do simples entretenimento, apresenta um enredo complexo e uma trama com um suspense de qualidade. Ademais, pode ser constatado uma leitura de um período histórico consubstanciado em discursos inflamados e repletos de ódio, e que, até os dias atuais, os britânicos não esqueceram e pelo visto, não pretendem deixar que o mundo deslembre.

Então aconselho que assistam no cinema, com a magia da enorme tela e quem sabe um combo de pipoca com guaraná. Saquem suas varinhas e preparem o coração para esta mais nova aventura.


Oi povo, tudo bem?
Hoje vamos falar de “Literalmente Amigas”, das autoras Laura  Conrado e Marina Carvalho, lançado recentemente pela Editora Bertrand Brasil. Estava mega curiosa com esse livro, pois sou extremamente fã da Marina Carvalho, amo tudo o que ela escreve desde o conto de fadas do “Simplesmente Ana”.

Gabi e Lívia, se conheceram numa comunidade do extinto Orkut (Que saudades! Amava essas comunidades, dava para conhecer a personalidade da pessoa através delas!! Rsrs), seu amor pela literatura que uniu essa amizade. Por esse amor elas fundaram um blog, chamado “Literalmente Amigas”. Preciso comentar que simplesmente ter sido representada nesse livro, afinal não é em qualquer lugar que achamos representados blogueiros literários que fazem tudo por amor.

“Lívia e eu nos falamos todos os dias desde o começo da nossa amizade, nem que seja só uma carinha no WhatsApp ou um tuíte com o link de um lançamento. Assim que nos encontramos pessoalmente numa livraria supercharmosa de BH, agente virou BFF de imediato!” Pag: 09.

Gabi é a artista da dupla, uma sonhadora sem limites que é super desorganizada economicamente e que sonha em um dia se torna um pouco mais estável. Apesar de ser uma artista genial, sua insegurança não deixa que ela voe e alcance lugares altos. Mas, pelo menos sua vida amorosa é maravilhosa desde que começou a namorar Léo.

“Viver de um bolsa acadêmica e de trabalhos esporádicos de designer e jornalista aos 25 anos não estava nos meus planos!” Pág:11.

Lívia, é o oposto de Gabi. Ela é organizada e com a vida economicamente estável. Ela trabalha na editora Sociedade dos Livros como assistente editorial, ainda não é o tão sonhado emprego em uma editora super famosa, mas já é um começo. O lado ruim da sua vida é que seus relacionamentos são completamente desastrosos.

“No entanto, no campo pessoal, ou melhor, em minha vida amorosa não saio do lugar desde… sempre.” Pág:14.

Até que um dia as duas se inscrevem na mesma vaga de emprego na super editora “EspaçoNave”. E então, será que uma amizade resiste a uma grande disputa?

Povo, devo confessar que dei gargalhadas a leitura inteira, mas em alguns momentos queria sacudir as duas!! Hahaha. Léo, Fred e Santiago são personagens maravilhosos, que vontade de ser amiga deles também!!

Resumindo, super indico o livro para quem procura uma leitura leve que fale de amizade, amor, respeito e muitas loucura literárias.

Avaliação:
Ficha Técnica
Título: Literalmente Amigas
Autor: Laura Conrado e Marina Carvalho
Editora: Bertrand
Páginas: 355

Heey, galerinha! Hoje eu vim falar com vocês sobre o livro “Magia Explosiva”, primeiro volume da série “Hidden Legacy”, que foi mantido em inglês mesmo.
Eu conheci o livro no ano passado, no evento da Universo dos Livros, na Bienal aqui do RJ, porém com a fila imensa de leitura — tá tendo leitura pro café, pro almoço e na janta também! —, só consegui ler agora.

Eu confesso que esperava outro tipo de história para esse livro, algo no estilo de distopia e cheio de altas brigas poderosas, com magias e tudo mais, mas a entrega é totalmente diferente: uma narrativa cheia de investigações, humor e romance.

Quando comecei a ler eu juro que murchei, porque logo na primeira página a protagonista mostra seus desejos femininos despertados por um cara, que pela descrição é um bonitão. Mas eu continuei lendo para ver onde tudo aquilo chegaria e um pouco mais pra frente realmente a história chega a um momento de ação, inclusive com o uso de magia, no meio de uma investigação. As páginas foram seguindo e de repente a narrativa estava cheia de humor em um cenário familiar, invés da aura pesada que eu esperava. Juro que eu fiquei “Ué? Cadê aquela outra história?”, mas segui em frente para ver o que aconteceria e vou contar para vocês onde o livro chega.

O cenário é um mundo onde famílias com fortes características mágicas se tornaram dinastias — “Casas” —, donas de corporações, territórios e regem a política. Essas famílias lutam entre si por disputas de poder, em batalhas mortais. Quanto mais magia e quanto mais forte ela for, mais poderoso, rico e destacado é o indivíduo. As magias possuem classes diferentes, categorizadas por elementos que elas manipulam.

No meio desse mundo vive Nevada, que é uma investigadora da empresa de sua família, muito esforçada e empenhada no seu trabalho, embora ela me passe uma sensação de desânimo enquanto está fazendo as investigações. Até que um dia eles recebem a tarefa de investigar um cenário muito perigoso envolvendo magia e a história do primeiro livro começa a desenrolar.
Logo no início dessa nova missão, Nevada conhece o amor de sua vida, Rogan — um mago poderoso — que é um cara esquisito, com uma tentativa de ser um badboy e que vai fazer Nevada querer tirar a roupa em vários momentos.

A investigação vai tomando rumo, as cenas de ação vão se encaixando na história, o humor vai quebrando o clima — e deixando tudo bem leve — e o relacionamento de Nevada e Rogan segue permeando no meio disso tudo — o que eu achei bem fora de contexto. Pensa comigo… um prédio inteiro desaba em cima do casal, eles sobrevivem por conta dos poderes de Rogan, soterrados em um cubículo, mas obviamente que o primeiro pensamento de Nevada é que ela está de conchinha com o Dragão — Como ela chama o Rogan — no meio dos entulhos! É claro que isso é o mais importante de tudo…
O humor, principalmente por conta da família de Nevada, também é meio forçado e eu achei bastante tedioso, não dá pra rir daquelas “piadas de tio” da avó de Nevada. Acho que sou muito chato.

O livro consegue manter o objetivo da história, mas sempre com essas intromissões dignas de chick lit, que quebram totalmente o clima. Acredito que muita gente consiga gostar desse tipo de construção, então não vou dizer que esse contexto é ruim, mas apenas não me conquistou como uma fantasia mais “pura” me agradaria. Não gostei do resultado dessa mistura de elementos e falta de profundidade em certos aspectos da história.

Se você curte alguns elementos de fantasia, como magia, curte histórias de romance e humor de gente desastrada e famílias malucas, você é um bom pretendente a gostar de “Magia Explosiva”, mas não espere nada profundo ou muito explorado.

Avaliação:

Ficha Técnica
Título: Magia Explosiva (Hidden Legacy #1)
Autora: Ilona Andrews
Editora: Universo dos Livros
Páginas: 448

Hey, galera! Eu já falei por aqui que gosto muito de ficção, certo? Bom, hoje eu venho falar de um livro muito interessante e bem diferente de tudo o que já li. Mas cuidado, se decidirem me acompanhar, porque vamos escavar o passado e seus perigos!

Michael Crichton é aclamado por seu épico Jurassic Park e agora volta à paleontologia que tem muito mais do que ficção científica, porque o cara decide agitar um pouco o passado! Em Dentes de Dragão, seremos transportados de volta ao século XIX e, sim, estaremos no Velho Oeste americano.

William Johnson é o nosso protagonista, com seus dezoito anos, e estuda na Universidade de Yale. William é um bom aluno, mas é daqueles adolescentes indiferentes ao mundo em redor e que tem um arqui-inimigo — Harold Marlin.
Johnson e Marlin vivem se alfinetando e competindo por tudo, até que fazem uma aposta, onde nosso protagonista acaba por fingir que é um fotógrafo e embarca juntamente com o um professor em uma expedição paleontóloga pelo Oeste, em busca de fósseis de dinossauros.

Carregando seus equipamentos, Willian acaba por descobrir que sua aposta rendeu resultados bem piores do que ele esperava e que a expedição está longe de ser algo legal. Seu professor, Marsh, possui uma imensa rivalidade com outro paleontólogo — Edward Cope — e está sempre extrapolando os limites de desconfiança de todos os envolvidos em sua jornada, até que decide que nosso protagonista é um espião que trabalha para seu rival.

Diante dessa conclusão, o professor Marsh simplesmente abandona William para que ele morra, porém o destino faz com que ele se encontre com ninguém menos do que Edward Cope, que o convida para entrar em sua equipe, também em uma expedição ao Oeste. Pronto, agora em uma nova equipe e descobrindo o outro lado da moeda, a jornada de William ganha novos rumos, com aventuras de tirar o fôlego.

Para quem não está acostumado a com esse ambiente do século XIX, talvez o livro pareça um tanto destoante no início, mas fica a dica: é só lembrar do mundo naqueles tempos de Velho Oeste e tudo vai parecer bem mais fácil de se imaginar! Dá até para “enxergar” tudo em tons de sépia, hahaha.
Por outro lado, quem está acostumado com a história daquela época, vai vibrar com as referências espalhadas pela leitura. Não vou mencionar nomes, mas aparece muita gente conhecida por essas páginas — só mais uma dica: repare bem com quem William conversa no trem!

Um outro ponto que me chamou bastante a atenção é o modo da narrativa, onde o narrador conta tudo a partir dos relatos do diário do protagonista, fica muito bem estruturado e o leitor consegue ter aquela sensação de que a história está contando uma outra história.

Acredito que os personagens poderiam ter sido mais construídos, porque eles meio que ficam rasos, no meio de toda a aventura e todas as reviravoltas da história. Se eles fossem um tanto mais profundos, certamente trariam mais ênfase aos descobrimentos e aos fatos históricos abordados.

Dentes de Dragão entrega tudo o que promete: aventuras cheias de perigos, ficção científica, ciência, diversão e uma ótima leitura — que facilmente ganha o leitor. É um livro daqueles que a gente gosta de recomendar para os amigos! Ahe a história será transformada em minissérie pela Amblin Television e a Sony Pictures!


Ficha Técnica:
Título: Dentes de Dragão
Autora: Michael Crichton
Editora: Arqueiro
Oi Povo, tudo bem?
Vocês já devem ter reparado que estou apaixonada por Tessa Dare, né? Hahaha. Minha paixão aumentou quando a conheci pessoalmente na bienal do livro de São Paulo, que aconteceu esse ano. Ela é extremamente fofa e simpática!! 

Hoje vamos falar de “A Dama Da Meia-Noite”, terceiro livro da série “Spindle Cove” lançada pela Editora Gutenberg. 
 
Quer conhecer os outros livros da série? Uma Noite Para Se Entregar e Uma Semana Para Se Perder

Kate Taylor é a querida professora de música de Spindle Cove, nessa mágica cidadezinha ela finalmente conseguiu fazer amigas e se sentir em casa. Kate foi criada num orfanato e até hoje procurar por sua origem, pois todo mundo tem direito de saber de onde veio. No fundo do seu coração ela tem certeza que foi muito amada e que foi deixada no orfanato por motivo de força maior.
 
“Mesmo que sua mente não lembrasse, seu coração não esquecia uma época anterior à Margate. Lembranças distantes de felicidade ecoavam em cada batida. Mas ela foi amada, uma vez.” Pág: 12.

Em busca de sua origens ela volta à Escola Margate para Jovens, para tentar conseguir alguma informação com a antiga diretora, o problema é que tudo sai errado e ela se vê sozinha, perdida e sem dinheiro. Por um acaso do destino, Kate encontra cabo Thorne que, como um bom cavalheiro, lhe oferece ajuda. Para sua surpresa, ele carrega um filhote de cachorro que é a coisa mais fofa do mundo e com isso ela aceita a ajuda. 

“Thorne sabia, sem sombra de dúvida, que as próximas três horas seriam o castigo mais cruel da sua vida.” Pág:23.

Nas três horas de viagem de volta para casa, a atração entre Kate e Thorne se torna evidente e ela tenta entender porque ele fugiu tanto durante esse um ano de convivência na pequena vila. Infelizmente Kate não consegue arrancar muitas informações, pois logo chegam em Spindle Cove.
Ao chegar na vila eles tomam uma grande surpresa ao encontrar um grupo de pessoas dizendo que são a família de Kate e apresentando uma foto de uma mulher muito parecida com ela. Thorne fica extremamente desconfiado e inventa que é noivo de Kate para protegê-la. 

Daí em diante fica impossível largar a leitura sem saber o que vai acontecer, afinal essa família é realmente a de Kate? Thorne é realmente um cavalheiro? Ah, isso não posso responder, mas devo dizer que amei a leitura. Já imaginava que ia gostar de Thorne, mas depois de conhecê-lo melhor só posso dizer que ele é um fofo!! Rsrs. Já Kate fica à altura das mocinhas anteriores, lutando por seu destino. O grande personagem desse livro sem sombras de dúvidas foi o cachorro!! Hahaha.

Avaliação:
Ficha Técnica
Título: A Dama da Meia-Noite
Série: Spindle Cove #03
Autor: Tessa Dare
Editora: Gutenberg
Páginas: 288
author
Se você: Cheira livros, se apaixona por personagens, sofre com eles como se fosse alguém da sua família, corre atrás de autógrafos, viaja para outro estado para participar da Bienal do Livro, adora um sebo, procura por eventos literários, entra na livraria para dar um livro de presente e sai com dois para você, então você está no lugar certo!