Pular para o conteúdo principal

La La Land- Cantando Estações - Filme

                                 


Oi pessoal! Como estão?

Como vocês sabem as Fadas Literárias fazem parte do grupo Aliança de Blogueiros, e foi através dessa parceria que tivemos a oportunidade de ir na cabine de imprensa do filme La La Land- Cantando Estações dirigido por Damien Chazelle, cineasta do também elogiado Whiplash, conseguiu como poucos desafiar-se logo em seu segundo filme com grandes proporções, e ao contrário do esperado, opta por um longa totalmente diversificado, inesperado e aclamado por Hollywood.


La La Land retrata a história de dois personagens batalhadores, que lutam pelo tão sonhado sucesso e reconhecimento. Mia (Emma Stone), uma aspirante a atriz que trabalha como barista na Warner Bros enquanto faz seus testes de casting, e Sebastian (Ryan Gosling), um talentoso músico de jazz que está se dedicando a carreira. De certo por ter como ambientação a moderna Los Angeles, tão conhecida por destruir esperanças, quebrar os corações e esmagar os sonhos, este musical original introduz o espectador no simples, porém real cotidiano difícil da construção de uma carreira em uma cidade cheia de oportunidades e ao mesmo tempo obstáculos, com certa graça e também dor para então trilhar o sucesso.


Assim, dos encontros casuais seja pela força do destino ou não, surge um intenso magnetismo entre os dois que culmina em uma paixão avassaladora que os impulsiona a seguir suas vidas e a confiar que apesar de tudo ainda existe uma luz no fim do túnel. O filme leva o público a uma viagem incrível pelo jazz, aos bastidores de super produções mergulhando no próprio mundo de Hollywood, os cenários, o dia-a-dia de um grande estúdio  e ainda a história dos musicais.


Já no primeiro ato ocorre a cena tão esperada e que foi reencenada na abertura da premiação do Globo de ouro bem complexa, no qual as pessoas abandonam seus carros em um engarrafamento para cantarem e dançarem ao melhor estilo cinematográfico. Sendo um recordista no Globo de Ouro ao vencer as sete categorias às quais estava indicado, além de mais de 120 prêmios e 180 indicações internacionais, incluindo 14 categorias do almejado Oscar. O longa por ser tão coeso, com sequências musicais espetaculares, fotografia e coreografia impecáveis e certeiros, é claro que seria um sucesso não só de público, mas também na crítica especializada que por muito estava saudosa e carente dessa magnitude explosiva do universo dos musicais.


Além da direção, Damien explorou seu lado escritor, onde seu  roteiro dinâmico faz despertar literalmente o seu lado dançarino adormecido e te faz querer se jogar literalmente na pista de dança que tem no pano de fundo da produção. Ao mesmo tempo em que todo cenário, figurino e os estilos musicais passam a impressão de que a história se passa nos anos 1950/ 1960, os carros mais modernos  e os celulares lembram que é na década atual que Stone e Gosling estão atuando encantadoramente. Levando a crer que  mais do que uma homenagem à gloriosa "Era de Ouro" dos musicais, a nostalgia é apenas trampolim revigorante do gênero.

Stone está encantadora no que eu (Priscila) em minha humilde opinião, considero o seu melhor trabalho de sua ativa carreira, ainda mais por todo o seu esforço em cantar, dançar e atuar. Revelando dessa maneira a artista completa e que estava escondida por de trás de uma comediante, que por mais que não tenha todo esse treinamento clássico consegue convencer de forma plena. Já Gosling mal canta, mas convence muito como pianista e ainda mais sapateando, quem diria que alguma vez poderíamos prestigiá-lo em tão alto nível.

Eu (Priscila) posso afirmar como público e consumidora, que  La La Land remete muito aos musicais da minha infância e que tal como instantaneamente me levou aos referenciais Mary Poppins e o clássico Cantando na Chuva, onde integra a música e dança no filme ao longo da introdução da história. Particularmente não gostei muito do final, já que esperava uma linha mais suscita e romântica, apesar de ter amado muito toda sequência. Um conselho para aqueles que não são fãs do gênero, mantenham sempre a mente aberta, prepare o super balde de pipoca e corram para o cinema. Bom filme cinéfilos!

Ficha Técnica:
Título original: La La Land
País: EUA
Direção: Damien Chazelle
Gênero: Musical , Romance
Ano: 2016
Classificação: Livre
Estreia no Brasil: 19 de Janeiro de 2017
Duração: 2h8min
Nota: 9.5, quatro estrelas e meia.

Elenco:
Ryan Gosling – Sebastian
Emma Stone – Mia
John Legend - Keith
Rosemarie DeWitt – Laura
Sonoya Mizuno – Caitlin
Callie Hernandez – Trancy
Jessica Rothe – Alexis
















Trailer:




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eleanor & Grey - Resenha

Oi Povo, tudo bem? Todo mundo que acompanha o blog sabe que sou mega fã de Brittainy C. Cherry, então quando vi que a caixa do “clube da Carina Rissi” vinha com o livro “Eleanor & Grey" e os marcadores de todos os livros da autora lançado aqui no Brasil, fiquei LOUCA. Graças ao bons Deuses dos livros, a Editora disponibiliza a caixa de maneira avulsa e consegui comprar essa lindeza! Rsrs. Sabe aquele tipo de livro que quando você termina, seus pensamentos são: “Obrigada Deus por eu amar ler! Obrigada por livros assim! Que lição de vida! Que autora maravilhosa!!". Quando terminei mandei uma foto da minha cara inchada de tanto chorar para Helyssa (voocomlivro) e Anastacia (notasliterarias_), falando que não estava sabendo lidar com tantos sentimentos. Eleanor, é uma adolescente que ama ler, não é muito social e ainda usa aparelho nos dentes, essa junção é o bastante para chamarem ela de esquisita ou sorriso metálico. Ela nem liga muito para esses comentários, Eleano

Talvez Agora - Resenha

  Oi Povo, tudo bem? Hoje vamos falar de "Talvez Agora”, que é continuação de "Talvez um dia” de Colleen Hoover lançado no ano passado pela Galera Record. Sou muito fã da autora e quando terminei “Talvez um dia”  fiquei sem saber o que fazer da vida porque eu não estava acreditando que a história terminava daquela maneira. Fiquei tão revoltada que comprei “Talvez Agora” no lançamento, mas levei meses para criar coragem e voltar para aquele universo. Vocês também são assim? HAHAHA. Espero sinceramente não ser a única!! HAHAHA. Ridge e Sydney, depois de tanto tempo, estão namorando. Sydney finalmente se sentiu segura para começar algo mais com Ridge. Ele por sua vez parece estar nas nuvens porque finalmente eles poderão viver um amor sem culpa e do jeito que sempre sonharam. Porém, isso não significa que tudo vai ocorrer nas mil maravilhas, afinal Ridge e Warren são as únicas pessoas no mundo que Maggie pode contar, e esse detalhe pode mudar tudo.  Maggie sabe que tem fibrose c