20 de fevereiro de 2017

A Torre - Resenha

A serviço secreto e sobrenatural de Sua Majestade

Olá galera! Como vocês estão?

Hoje eu trago para vocês a resenha de A Torre de Daniel O’Malley. Ganhei o livro da Editora Leya, no Evento da Aliança de Blogueiros, e tenho que dizer, meus olhos brilharam ao ouvir a Nanda dizer que era seu livro favorito e descrever um pouco da história, então assim que pude comecei a lê-lo.

Querida você,O corpo que está usando costumava ser meu. ...Você sabe o nome do corpo em que está? Chama-se Myfanwy. Myfanwy Alice Thomas. Eu diria que é o meu nome, mas você está com o corpo agora, então imagino que seja o seu.
Pág.: 7
Imagina abrir os olhos e estar toda dolorida, sem memória de uma vida e rodeada por cadáveres usando luvas de látex. Foi assim que ela "nasceu" ou “emergiu”, talvez seja um termo melhor. Ela não perdeu simplesmente a memória, como ocorre em um acidente de carro, por exemplo, ela perdeu sua essência, o que fazia ela ser quem era, e por consequência, a pessoa que abriu aqueles olhos não era a mesma que os fechou.

Só por você não ser eu, não significa que está a salvo. Junto desse corpo, você herdou certos problemas e responsabilidades. Vá encontrar um local seguro e então abra a segunda carta.
Atenciosamente,

Eu.

Pág.: 08

O livro começa quando essa nova pessoa está lendo uma carta, encontrada no bolso do casaco, explicando pouco do que aconteceu e dando instruções para que ela permaneça viva. A antiga Myfanwy deixa claro em suas cartas os perigos que ela corre e também, a opção de criar uma nova identidade ou assumir a dela. Como toda pessoa sensata, ela é claro decide fugir daquilo tudo, mas algo acontece e ela acaba assumindo a vida da antiga dona do corpo.

Myfanwy é uma Torre do Checquy, um grupo secreto do Império Britânico, que é encarregado de lidar com as questões sobrenaturais. O Checquy usa nomes de peças de Xadrez para nomear a corte que o compõe. Um dia ela está lá na dela, andando na rua e recebe um aviso de um “vidente”, dizendo que ela será atacada e vai deixar de ser ela, claro que ela não acredita muito e deixa passar, até que continua sendo avisada da sua “destruição” iminente e decide então tentar descobrir o porquê, mas principalmente fazer com a que a nova ela saiba o que está enfrentando.

Apesar de seus incríveis poderes, a antiga Myfanwy era uma pessoa muito introvertida e tímida, capaz de se retrair ao menor sinal de conflito, nem mesmo os anos de treinamento na propriedade (um tipo de lar/escola)  fizeram com que ela se tornasse o soldado que o Checquy esperava, e por isso se ocupa mais das funções administrativas, e deixa sua contraparte, a Torre Gestalt com a supervisão de operações externas.

Mas a nova Myfanwy não é nem um pouco tímida, na verdade é bem sarcástica e está apenas descobrindo a extensão dos seus poderes. No entanto, ela sabe que há um traidor entre eles e mesmo sem memória, parece ser a única capaz de desmascará-lo, mas como fazer isso quando você precisa manter um ar de normalidade?!

A antiga Myfanwy era uma administradora incrível, e deixou para sua substituta um fichário roxo enorme com tudo que ela precisaria saber, então durante a leitura vamos compreendendo como a organização funciona, quem compõe a corte e conhecendo melhor as duas Myfanwys. Aos poucos vamos descobrindo que o Checquy está sendo atacado por um antigo inimigo, o mais poderoso que já enfrentaram e acharam que haviam exterminado, os Grafters. Os Crafteres são basicamente cientistas malucos, que fazem modificações no extremas no corpo humano, são capazes de moldar a carne e alterar radicalmente suas propriedade, a ponto de não parecerem mais humanos, mas depois de décadas de aperfeiçoamento eles estão mais difíceis de identificar.

Em algumas partes fiquei entediada pela antiga ser tão detalhista em suas explicações, ao mesmo tempo que gostei muito de seus relatos, pois era como se ela tivesse usado as cartas para conversar com uma amiga e expressar seus medos e descobertas. Temos várias cenas de ação, em que nossa protagonista vai descobrindo o quanto é poderosa e desvendando o inimigo da Corte. Eu recomendo o livro para todos os amantes do sobrenatural, tem um final surpreendente e a nossa protagonista tem ótimas tiradas. Estou ansiosa para ler o próximo.


Avaliação:

Ficha Técnica
Título: A Torre
Autor(a): Daniel O’Malley
Editora: Editora Leya
Páginas: 432

Um comentário:

  1. Oi Anne!
    Ainda não conhecia o livro, mas a história parece ser interessante. Adoro histórias com cartas.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir

author
Se você: Cheira livros, se apaixona por personagens, sofre com eles como se fosse alguém da sua família, corre atrás de autógrafos, viaja para outro estado para participar da Bienal do Livro, adora um sebo, procura por eventos literários, entra na livraria para dar um livro de presente e sai com dois para você, então você está no lugar certo!