Pular para o conteúdo principal

Encarcerados - Resenha


Hey galera! Vamos falar um pouquinho sobre duas coisas que eu amo: sci-fi e casos policiais! Encarcerados é um daqueles livros que me conquistaram pela capa. Primeiramente, a arte que ao mesmo tempo em que é simples, é muito linda! Em segundo lugar, há o nome de John Scalzi estampado nela e eu já conhecia o excelente trabalho do autor em "A Guerra do Velho" — e que eu vou trazer esse aqui também, daqui uns tempos. Me acompanhem em Encarcerados!

Quando eu comecei a ler o livro, acabei por cometer um pequeno erro: embarquei na narrativa com a ideia de "A Guerra do Velho" em mente, esperando apenas sci-fi, mas então eu me deparei com um caso policial na história e achei que então seria um livro policial. Só depois entendi que, na verdade, Encarcerados não é só um livro de ficção científica, mas também não é um livro só policial. O livro é um caso policial no meio de um cenário totalmente sci-fi e junta essas duas das minhas maiores paixões literárias. Confesso que bateu até uma emoção quando percebi isso. E, na verdade, estava o tempo todo estampado na capa, marcado com uma mão robótica, segurando uma pistola! Mas confesso que não percebi de cara.

O título do livro vem da sequela gerada pelo Haden — uma doença causada por um vírus e que acomete uma grande parte de todo o mundo, onde há três possíveis destinos reservados para quem é infectado. O primeiro é a morte, o segundo é um estágio maior de desenvolvimento de algumas capacidades cerebrais e o terceiro é o encarceramento, onde o indivíduo perde todos os movimentos, mas continua com a consciência perfeitamente ativa e fica preso — encarcerado — no próprio corpo.

Para resolver a questão do encarceramento, o governo cria um programa para os Hadens, onde desenvolvem robôs, chamados de C3 — que eu não pude deixar de fazer uma analogia com o C3PO — e que, após um implante de um equipamento, as pessoas encarceradas conseguem transferir suas consciências para os androides e assim utiliza-los para viver.

Os C3, embora ainda estejam sendo aprimorados, já possuem sensores que permitem a sensação de tato e também uma modulação de voz, além de altos recursos tecnológicos.

Daí você pensa que isso é muito legal, certo?! Mas e então, se um encarcerado possui uma má índole e está controlando um robô, que pode quebrar, mas não morre, e resolve fazer algo de ruim?! Pois é, não existe apenas o lado bom nessa solução e Scalzi colocará o leitor diante de ambos os lados, de quem é a favor e de quem é contra toda essa questão social, política e capitalista, mas sem incitar um lado como correto. Isso caberá ao leitor ponderar e escolher. E isso ficou excelente! Uma jogada de mestre.

Além da questão de segurança, a história vai abordar muitos outros pontos polêmicos, como a possibilidade de as pessoas serem quem elas quiserem, sobre convívio social, discriminação de minorias e tantos outros assuntos muito reais no nosso próprio mundo — cumprindo toda a função de um ótimo livro de ficção científica.

Os personagens são muito bem construídos, desde nosso protagonista Chris Shane — não sei o motivo, mas eu achava que ele era uma garota até quase metade do livro —, que é um encarcerado, rico, e agente do FBI, até outros personagens que só vivem no mundo virtual da Ágora — um espaço virtual para Hadens que não querem usar C3 e apenas vivem virtualmente, além de seus corpos imóveis, aos cuidados em algum local. Mas um destaque vai para Vann — parceira de Chris, no FBI —, que foi uma das minhas personagens favoritas, e que vai conquistar qualquer um!

O vilão principal não é tão grandioso e sua motivação não é exagerada, como muitas vezes é esperado em livros desse gênero. Mas acredito que toda a jornada para o desfecho da situação é que vale muito a pena e nos traz grandes reflexões sobre tudo o que vivemos e até onde isso pode chegar.

O caso policial, que perdura também até o fechamento do livro, é essencial para prender o leitor, na necessidade de desvendar o que realmente aconteceu e quem está por trás de tudo.

Um ótimo caso policial em um super ambiente sci-fi. Uma experiência única e um dos melhores livros que já li este ano, por isso acredito que você também deveria ler!

Avaliação:

Ficha Técnica
Título: Encarcerados
Autor: John Scalzi
Editora: Aleph
Páginas: 328

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eleanor & Grey - Resenha

Oi Povo, tudo bem? Todo mundo que acompanha o blog sabe que sou mega fã de Brittainy C. Cherry, então quando vi que a caixa do “clube da Carina Rissi” vinha com o livro “Eleanor & Grey" e os marcadores de todos os livros da autora lançado aqui no Brasil, fiquei LOUCA. Graças ao bons Deuses dos livros, a Editora disponibiliza a caixa de maneira avulsa e consegui comprar essa lindeza! Rsrs. Sabe aquele tipo de livro que quando você termina, seus pensamentos são: “Obrigada Deus por eu amar ler! Obrigada por livros assim! Que lição de vida! Que autora maravilhosa!!". Quando terminei mandei uma foto da minha cara inchada de tanto chorar para Helyssa (voocomlivro) e Anastacia (notasliterarias_), falando que não estava sabendo lidar com tantos sentimentos. Eleanor, é uma adolescente que ama ler, não é muito social e ainda usa aparelho nos dentes, essa junção é o bastante para chamarem ela de esquisita ou sorriso metálico. Ela nem liga muito para esses comentários, Eleano

Long Shot - Resenha

  Oi Povo, tudo bem? Hoje vamos falar de “Long Shot” primeiro livro da série Hoops, da autora Kennedy Ryan, lançado pela Editora The Gift Box. Esse livro mexeu tanto comigo que demorei meses para me sentir segura em escrever essa resenha. A história de August e Iris, é muito surpreendente, mas isso não significa que ela é leve. Minha xará passa por cada situação que nenhum ser humano deveria passar, mas ainda bem que existem pessoas como August. Ele é simplesmente sensacional e ela é uma mulher extremamente forte. Deu para perceber que me encantei pelo casal, né? Rsrs. Iris e August se conhecem num barzinho de um hotel e a conversa dos dois acontece de maneira natural e encantadora, eles acabam conversando sobre assuntos que não assumem para quem conhecem a anos, mas parece que abrir o coração é algo natural entre eles. O problema é que tudo que é bom dura pouco e a noite acaba, e ambos tem que voltar para a vida normal. “Eu fico parado, absorvendo o som de seu nome, absorvendo o olhar