7 de dezembro de 2018

O Ódio Que Você Semeia - Cinema

O Ódio Que Você Semeia é uma das adaptações cinematográficas mais esperadas do ano. Ela conta com Amandla Stenberg (nossa amada Rue de Jogos Vorazes) no papel da protagonista, Starr, e outros nomes como Russell Hornsby, Anthony Mackie e Regina Hall. Sendo “distribuído” (MUITAS ASPAS AQUI) pela Fox Film do Brasil, o longa estreou dia 06 de dezembro, em pouquíssimas salas de cinema em poucas partes do Brasil. 

Starr Carter é uma adolescente negra de 16 anos que, ao voltar de uma festa, presencia o assassinato de seu amigo de infância, Khalil, por um policial branco. Depois desta noite traumática, ela é forçada a testemunhar no tribunal, pois era a única que estava presente no ato do crime. Como mora em um bairro marginalizado e comandado por um traficante muito influente, ela começa a sofrer ameaças por parte dele, pois o menino morto vendia drogas, e ela poderia acabar “falando demais” sobre os esquemas do tráfico para a polícia. Apesar das ameaças, Starr sabia que para defender a honra de seu amigo, e dos inúmeros mortos todos os dias pela violência policial contra negros nos Estados Unidos, poderia usar a arma mais poderosa dada ao ser humano, a voz. 



Devo enaltecer a atuação de Amandla Stenberg, ela fez um trabalho excepcional, conseguiu transparecer todas as emoções com uma clareza absurda, nos emocionando durante todo o filme (eu chorava de 5 em 5 minutos por causa dessa garota). Com toda a crítica social que o filme carrega, ele te faz refletir sobre seus próprios privilégios, e te dá 5 tapas na cara por minuto. Além de denunciar e explicar a apropriação cultural de uma forma bem didática, mostrando o comportamento dos alunos na escola que Starr frequenta, localizada em um bom bairro, longe do ‘bairro dos negros” . 

“A Starr da Williamson não usa gírias; se é algo que um rapper diria, ela não diz, mesmo que os amigos brancos digam. As gírias o tornam descolados. As gírias a tornam “daquele jeito”. (...) Basicamente, a Starr da Williamson não dá motivo para que alguém a chame de garota do gueto.”

Uma coisa que reparei foi a direção de fotografia (nunca pensei que falaria essa frase em toda a minha vida). Para diferenciar o bairro periférico e a escola de classe alta, foram usados filtros diferentes. As cores nas cenas da escola, eram mais azuladas e frias, já no bairro, foi utilizada uma paleta com tons mais amarelados, nos trazendo um ambiente um pouco mais quente e familiar. Isso serviu para nos mostrar o contraste entre os dois lugares e as classes que dominam cada um. 



O Ódio Que você Semeia é um filme tão importante que deveria ser exibido nas escolas, assim como o livro deveria estar nas estantes de suas bibliotecas. Ele também deveria estar disponível em grande parte dos cinemas do Brasil, o que, infelizmente, não vai acontecer. Então, se você mora em alguma capital brasileira ou tem acesso a algum cinema que esteja exibindo esse filme, vá e aproveite, pois infelizmente, está sendo um “privilégio” para poucos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

author
Se você: Cheira livros, se apaixona por personagens, sofre com eles como se fosse alguém da sua família, corre atrás de autógrafos, viaja para outro estado para participar da Bienal do Livro, adora um sebo, procura por eventos literários, entra na livraria para dar um livro de presente e sai com dois para você, então você está no lugar certo!