Pular para o conteúdo principal

O Príncipe Corvo - Resenha

O livro de hoje foi publicado aqui no Brasil pela editora Record, sendo o primeiro da Trilogia dos Príncipes de Elizabeth Hoyt. O Príncipe Corvo é um romance de época diferente dos outros que já li, além de ter uma pegada bastante sensual.  

Anna Wren é uma pobre e respeitável viúva que perdeu o marido muito jovem e, desde então, mora com sua sogra, que a considera como uma filha. Ela aprendeu a se virar após a morte de seu marido, ou teria passado fome, pois ele não havia deixado nada para Anna e sua mãe. Porém, a dificuldade financeira é real, e suas fontes de renda estão cada vez mais escassas. 

Após sair pela cidade procurando emprego de governanta, ou até criada, em alguma casa e perder as esperanças, Anna esbarrou com o Sr. Hoppe, que por um acaso estava procurando um novo secretário para o Conde de Swartingham. Apesar dos preconceitos que enfrentaria, Anna se pôs a disposição para assumir o emprego, e depois de muita hesitação, o Sr. Hoppe finalmente concordou em empregá-la. 

— (…) É tão mais fácil simplesmente fazer o que as pessoas esperam de você, Anna.
— Pode ser mais fácil, mas não é necessariamente a coisa certa a fazer, mãe.

Edward de Raaf é o Conde de Swartingham, um homem amargurado e solitário. Sua família inteira foi acometida por uma doença, inclusive o próprio, e ele foi o único sobrevivente. Depois de anos afastado, voltou para administrar propriedade herdada da família, mas sua personalidade forte afasta todos os secretários que contrata, não é possível que ele seja tão ruim assim, será que todos fogem por conta de suas cicatrizes? 

Após o choque inicial de descobrir que seu novo secretário é, na verdade, uma secretária, Edward começa a admirar - se é que vocês me entendem - muito a sua nova funcionária, ela é a única pessoa que não tem medo de confrontar ele e falar o que pensa quando necessário. O desejo que ele sentia por ela estava se tornando insuportável. 

Ela não estava acostumada a discutir com cavalheiros, e achou muito difícil permanecer decidida e não pedir desculpas. Como era empolgante falar o que pensava sem se importar com a opinião de um homem! Realmente, ela deveria ficar envergonhada diante dessa ideia, mas não conseguia se arrepender. Não. De forma alguma.

Enquanto Anna guardava coisas na gaveta de seu patrão, ela não deixou de observar um recibo que estava guardado lá dentro, ele era de um bordel localizado em Londres. Então todas as viagens do Conde à Londres eram para frequentar aquele lugar de má reputação? E por que ela estava se sentindo tão traída? Ela era apenas uma secretária. 

Raiva. Anna sentiu raiva. A sociedade poderia não esperar o celibato do conde, mas certamente esperava isso dela. Ele, por ser homem, poderia ir a casa de má reputação e aprontar por toda a noite com criaturas sedutoras e sofisticadas. Enquanto ela, por ser mulher, deveria ser casta sem nem ao menos pensar em olhos escuros e peitos cabeludos. Simplesmente não era justo. Nem um pouco justo.

E é aí que o livro começa, Anna tem a ideia mais absurda existente, e está pronta para pôr em prática, mas se ela for descoberta, não só sua reputação estará arruinada, como perderá seu emprego! 

Ao descobrir que o conde de Swartingham visita um bordel para atender suas “necessidades masculinas”, Anna Wren decide satisfazer seus desejos femininos… com o conde como seu amante.

O que eu mais gostei nesse livro, foram os papéis invertidos dos personagens. Anna toma a iniciativa para conquistar o Conde. O Conde tem problemas de autoestima e Anna também o ajuda a superar essa barreira. As aparências dos protagonistas também são mais reais, Anna é descrita pelo Conde como uma mulher normal, e o Conde é uma homem cheio de cicatrizes de Varíola, a autora fez um ótimo trabalho nesse quesito. Muitas coisas do livro me incomodaram, o desenvolvimento rápido, personagens sendo mal desenvolvidos ou esquecidos, plot twist fraco e outras coisinhas, mas não deixei de gostar da leitura. Por isso, recomendo essa leitura para quem gosta de um romance com história e estrutura diferenciada, e uma ótima protagonista empoderada! 


Avaliação:                                                                       
Ficha Técnica
Título: O Príncipe Corvo
Autor: Elizabeth Hoyt
Editora: Record
Páginas: 350

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Indomável - Resenha

Oi Povo, tudo bem? Hoje vamos falar de "Indomável", último livro da trilogia "Damas Rebeldes", da autora Julia Quinn, lançado pela Editora Arqueiro. Finalmente cheguei no livro de William Dunford! HAHHAA. Ele aparece nos livros anteriores " Esplêndida " e " Brilhante ", e deixa nós leitores apaixonados e doidos para conhecer ainda mais esse personagem libertino tão charmoso! HAHAHA. Ele fica completamente chocado quando descobre que herdou um título e uma propriedade na Cornualha. Dunford, viaja imediatamente para conhecer a propriedade que ele herdou, o que ele não imaginava é que encontraria uma mulher administrando a propriedade e que ela se tornaria sua responsabilidade junto a herança do título.  "Belle bateu palmas. Que fantástico! Dunford acabara de receber uma herança inesperada. Ela torcia para que fosse algo bom. Uma de suas amigas tinha acabado de herdar, a contragosto, 37 gatos. " Pág: 12. Henrietta Barrett, ou apenas Henry,

Long Shot - Resenha

  Oi Povo, tudo bem? Hoje vamos falar de “Long Shot” primeiro livro da série Hoops, da autora Kennedy Ryan, lançado pela Editora The Gift Box. Esse livro mexeu tanto comigo que demorei meses para me sentir segura em escrever essa resenha. A história de August e Iris, é muito surpreendente, mas isso não significa que ela é leve. Minha xará passa por cada situação que nenhum ser humano deveria passar, mas ainda bem que existem pessoas como August. Ele é simplesmente sensacional e ela é uma mulher extremamente forte. Deu para perceber que me encantei pelo casal, né? Rsrs. Iris e August se conhecem num barzinho de um hotel e a conversa dos dois acontece de maneira natural e encantadora, eles acabam conversando sobre assuntos que não assumem para quem conhecem a anos, mas parece que abrir o coração é algo natural entre eles. O problema é que tudo que é bom dura pouco e a noite acaba, e ambos tem que voltar para a vida normal. “Eu fico parado, absorvendo o som de seu nome, absorvendo o olhar